Em pleno voo

Entrevista com Fernanda Paraguassu, autora do livro da Vooinho, “A Menina que Abraça o Vento”.

Editora Voo - Entrevista com Fernanda Paraguassu, autora do livro da Vooinho, “A Menina que Abraça o Vento”.

À convite da Voo, Fernanda Paraguassu, autora de “A menina que abraça o vento”, respondeu a algumas questões sobre a obra, seu tema e as inspirações por trás da criação da personagem Marsene.

Confira abaixo!

Voo –  Fernanda, sabemos que a sua experiência na Cáritas-RJ foi primordial para o desenvolvimento do livro. Como você conheceu a instituição?

Fernanda – A Cáritas RJ me ajudou nos primeiros contatos com os refugiados. A instituição trabalha desde os anos 1970 no acolhimento de refugiados que chegavam à cidade. Vinham de países como Argentina, Chile e Uruguai. Hoje, atende a refugiados de mais de 60 nacionalidades através do Programa de Atendimento a Refugiados e Solicitantes de Refúgio (PARES), que tem o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a parceria de várias entidades, universidades e coletivos. Quando li que o número de mulheres chegando ao Rio de Janeiro em busca de refúgio estava no mesmo que o dos homens busquei a instituição, que fica numa casa no bairro do Maracanã, para conhecer algumas histórias. Atualmente, muitas mulheres saem de seus países sozinhas com os filhos para pedir refúgio em outros países. O motivo não é mais reencontro familiar. São elas que estão indo na frente para abrir o caminho em busca de uma vida melhor.

 

Voo – Como surgiu a história da Marsene? Houve uma inspiração real por trás da personagem?

Fernanda – A história da Mersene foi inspirada em um grupo de meninas da República Democrática do Congo que frequentava a Cáritas RJ na época em que visitei a instituição. Foi a partir da observação de uma brincadeira no pátio da casa que surgiu a ideia de construir a história. Costurei pedaços de histórias que ouvi e de cenas que observei ali e que, junto com as ilustrações da Suryara Bernardi, deram forma ao livro.

 

Voo – Além de sua experiência na Cáritas, quais foram as obras infantis que inspiraram você para criar a narrativa de “A menina que abraça o vento”?

Fernanda – Além de sua experiência na Cáritas, quais foram as obras infantis que te inspiraram para criar a narrativa de “A Menina que Abraça o Vento”?

Lia para meus filhos desde pequenos. Lembro de reler livros da minha época, como Ou isto ou aquilo, de Cecília Meireles, e o Menino Maluquinho, de Ziraldo. Tem ainda vários de Ruth Rocha e de Ana Maria Machado. Poderia fazer uma lista (risos). Meus filhos são adolescentes hoje, mas continuo acompanhando as novidades na literatura infantil. Acredito que a construção da narrativa para meu livro teve a influência de todos esses livros que li nos últimos anos.

 

Voo – Qual é a importância de abordar temas tão sensíveis como o refúgio para o público infantil?

Fernanda – As crianças têm acesso a informações cada vez mais cedo. Quando a gente menos imagina, estão sabendo de um monte coisa. Se você não dá acesso à internet, o amigo terá. O refúgio é um assunto contemporâneo, está nos jornais, nos filmes, nas novelas… E o livro é uma forma de ajudar a explicar o que acontece no mundo em que estão crescendo. Ao contrário de um livro didático ou de uma cartilha, a literatura permite a criação de empatia, o estímulo à imaginação. Acho que mais importante do que evitar temas sensíveis é abordá-los de forma adequada a cada idade.

 

Voo – Como foi o seu processo de criação? Quais foram os desafios que surgiram ao longo do desenvolvimento da narrativa?

Fernanda – O desafio foi mostrar a Mersene como uma criança igual às outras. Sem torná-la vítima, tampouco guerreira. Porque todos temos forças e fraquezas. Então ora ela fica feliz, ora fica triste. No livro, a criança está no Brasil e tem uma rotina de uma criança interiorizada. Tem hora para dormir, brincar e ir à escola. E é nessa situação escolar que, muitas vezes, as crianças refugiadas continuam sendo desafiadas no processo integração. A ideia do livro foi disseminar o conceito do refúgio, explicar que refugiados não fogem porque fizeram algo de errado, mas porque buscam a proteção que o país de origem não pode mais dar. Nesse contexto, a história também aborda a maternidade, a perda, a saudade, a superação, a resiliência…

 

Voo – O que a escrita do livro contribuiu para a sua jornada?

Fernanda – A caminhada para a construção do livro foi incrível. Conheci pessoas que confiaram na minha ideia e se dedicaram a cada detalhe, como é o caso das sócias da Editora Voo – Claudia, Joana e Priscila. Do financiamento coletivo para tornar o livro realidade, aos eventos, feiras e editais, chegando a mais 250 mil exemplares em quatro anos. Hoje o livro está em todas as escolas públicas da cidade de São Paulo. Isso é resultado de um esforço e uma dedicação de profissionais comprometidas com os valores do seu negócio. No meu caso, o livro foi ainda o ponto de partida para minha dissertação de mestrado. Com o tema Narrativas de infâncias refugiadas – a criança como protagonista da própria história, meu trabalho final foi vencedor do Prêmio Compós 2021, na categoria Melhor Dissertação. Utilizei uma metodologia de escuta sensível, criei uma atividade lúdica para o contato com crianças refugiadas no Rio de Janeiro e observei cenas que registrei durante uma visita à Operação Acolhida em Roraima. Com base no depoimento de cada criança, escrevi histórias curtas que costuraram o texto da dissertação. Fiquei muito contente com o prêmio, porque foi um desafio e tanto inovar no formato sem perder o rigor acadêmico.

 

Voo – Por fim, gostaríamos que você nos contasse qual é o principal sentimento e o principal ensinamento que você espera que o livro desperte nos pais e nos leitores mirins.

Fernanda – O objetivo principal do livro é passar uma informação correta sobre o conceito de refúgio. A falta de informação sobre o tema é um dos principais obstáculos à integração dos refugiados e, em especial, das crianças. O livro não define de que forma a criança refugiada deve ser tratada pelo país acolhedor, apenas conta a história da menina. Mas depois que o conceito do refúgio está claro, parece que as pessoas ficam menos resistentes ao outro. Muitas vezes, essa resistência é uma reação ao desconhecido. E o livro tem esse aspecto de trazer conhecimento, de abrir um caminho para o respeito. Temos recebido um retorno bastante positivo em relação a isso. Nos leitores mirins, o livro tem despertado muita empatia. As crianças escrevem cartas para a Mersene e ainda – o mais sensacional – querem ficar amigas da menina que abraça o vento.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios.

mais posts

Editora Voo - Lançamento Truthtelling

Lançamento Truthtelling

Palestra e sessão de autógrafos acontece no próximo dia 20/6, no Nex Coworking do Rio de Janeiro. Na nova economia do conhecimento, o capital humano…
leia mais
Editora Voo - Semana Colaboração e Interdependência: de 27/04 a 01/05 no YouTube da Voo

Semana Colaboração e Interdependência: de 27/04 a 01/05 no YouTube da Voo

Vem aí a primeira edição do Voo para uma nova economia! Neste primeiro seminário promovido pela  Voo, reunimos um grupo de especialistas para encontros on-line diários…
leia mais
Editora Voo - Voo lança “O Músculo da Alma” de Nuno Cobra Jr.

Voo lança "O Músculo da Alma" de Nuno Cobra Jr.

Livro propõe uma revolução no treinamento físico e faz um alerta sobre os excessos da indústria do fitness e o que a sociedade de consumo está…
leia mais
Editora Voo - Caixas temáticas e rodas de leitura virtuais ajudam a dar seguimento ao Voo para um futuro melhor na pandemia

Caixas temáticas e rodas de leitura virtuais ajudam a dar seguimento ao Voo para um futuro melhor na pandemia

O projeto “Voo para um futuro melhor” trabalha a leitura com jovens em cumprimento de pena socioeducativa.⁣ Esse programa é atualmente a principal contrapartida social…
leia mais

Este site usa cookies

Para otimizar sua experiência de navegação, usamos cookies. Ao continuar no site, assumimos que você concorda com nossa Política de Privacidade.

Inscreva-se na nossa newsletter e receba as últimas novidades!